Japão: conheça este país insular com mais de 6.000 ilhas – parte 2

Todos os meses, o Japão surpreende: confira a segunda parte de nossas dicas sobre o que fazer a época do ano neste país insular 

Pronto para continuar nossa viagem pelo Japão? Para quem ainda não sabe o que fazer a cada dia do ano no país, dividimos esse conteúdo em dois textos: de janeiro a junho e, de julho a dezembro. Para conferir a primeira parte, basta clicar aqui.

Vale lembrar, que é importante ter ao menos 10 dias de viagem para poder conhecer um pouco desse país tão rico em cultura e beleza natural.

Japão: o que visitar no país a cada mês 

Julho

Japão: conheça este país insular com mais de 6.000 ilhas - parte 2

Foto: Pixabay

A estação das chuvas acaba, ou diminui, no início de julho. As temperaturas e a umidade aumentam progressivamente e o verão começa a todo vapor. Passatempos populares incluem caminhadas nas montanhas, passeios na praia, beisebol e cervejarias ao ar livre. Certifique-se de incluir roupas leves quando fizer as malas e não economize no protetor solar.

Sendo um arquipélago, o Japão oferece diversas opções de passeio por suas ilhas. Visite as ilhas de arte no Mar Interior de Seto, lindos recifes de corais, ilhas desabitadas em Okinawa e ilhas vulcânicas ao estilo do Jurassic Park ao sul de Tóquio. Os serviços de balsa para, de e entre ilhas têm seu pico de funcionamento em julho e agosto.

Embora Okinawa  tenha belíssimas praias, o calor e a umidade de julho podem ser um problema para alguns. Você encontrará praias populares em Chiba , Wakayama  e Fukuoka , mas existem outras opções em áreas costeiras como Kamakura . Quase todas as praias abrem para a temporada de natação no início de julho.

Embora desconhecida para a maioria dos visitantes internacionais, vale a pena conferir a próspera indústria japonesa de parques aquáticos e spas. O Nagashima Resort em Mie reúne piscina, Onsen, e parque de diversões em um complexo que cabe em um dia inteiro de diversão aquática. Outros parques como o Spa World em Osaka  e o Hakone Kowakien Yunessun  em Hakone  oferecem piscinas e instalações balneares temáticas e peculiares.

Agosto

O mês de agosto oferece uma tarifa de verão semelhante a de julho. Os passeios na praia, as excursões nas montanhas e os esportes aquáticos são as atividades mais procuradas. A diferença são as temperaturas mais quentes e o cenário colorido dos festivais de verão e os fogos de artifício, que não são incomuns em julho, porém, muito mais frequentes em agosto.

Alguns dos maiores e melhores festivais incluem o Awa Odori  em Tokushima e o Nebuta Matsuri  em Aomori, com duração de uma semana. Ambos apresentam dança e iluminação noturna, com carros alegóricos, fogos de artifício e lanternas – temas comuns nas comemorações de agosto.

Voltando nossa atenção para coisas sérias, mais ao sul de Hiroshima , o aniversário de lançamento da bomba atômica  em 6 de agosto de 1945 é comemorado com uma bela e comovente cerimônia na qual lanternas brilhantes são lançadas ao rio sob o Parque Memorial da Paz  e a Cúpula da Bomba Atômica .

Fechando o Obon em 16 de agosto, o Gozan Okuribi de Quioto  é realizado com fogueiras gigantes em formatos de diferentes personagens chineses, decoradas nas encostas das montanhas de Quioto . Oportunamente, o mais famoso deles é o personagem que significa “grande” em Daimonjiyama, no distrito de Higashiyama.

Setembro

Embora seja um dos três meses do outono japonês, setembro ainda pode ser bastante quente em boa parte do país. Hokkaido  é uma exceção, onde as temperaturas caem e as folhas começam a mudar de cor. Resorts de praia tendem a esvaziar conforme a temporada litorânea chega ao fim, mas as viagens praianas ainda são viáveis, e muito menos concorridas.

Com o fim das férias de verão e a volta à rotina, não são apenas as praias que ficam menos lotadas, mas grande parte do Japão em geral. Note que o clima é bom em muitos locais, mas pode ser imprevisível, com tufões mais frequentes entre o final de agosto e grande parte de setembro. Tente deixar seu itinerário flexível no caso de um tufão durante sua visita.

Uma das exibições mais espetaculares do Japão urbano, o Festival de Kishiwada Danjiri  em Osaka  emociona espectadores com seus andores empurrados em ritmo alucinante pelas ruas lotadas. Também em meados de setembro, o Tsurugaoka Hachimangu Reitaisai  combina performances de yabusame (tradicional arco e flecha a cavalo) com ritos solenes em um antigo santuário. No final do mês, Aizuwakamatsu em Fukushima  apresenta seu Byakko Matsuri, em que várias procissões encenam diferentes períodos da história local.

No fim do verão e no começo do outono, você pode passar alguns dias caminhando pelas trilhas de Hokkaido  e passar um tempo em uma praia no oeste do Japão ou em uma ilha no Pacífico. O Parque Nacional Daisetsuzan  é um dos melhores para caminhadas de outono em Hokkaido , com a troca de folhas no início do mês e o seu auge em meados de setembro.

Outubro

Japão: conheça este país insular com mais de 6.000 ilhas - parte 2

Foto: Pixabay

Com o fim da temporada de tufões no final de setembro na maior parte do Japão, o mês de outubro proporciona o clima mais agradável em todo o país. É uma época de colheita e de festivais de colheita, de passeios ao ar livre, de caminhadas de outono e de arte e cultura.

Com a melhor época para colheitas, os alimentos têm um excelente sabor em outubro, desde peras japonesas e caqui até arroz, macarrão soba e saquê. Niigata, uma importante região produtora de saquês e arroz, é um ótimo lugar para degustar algumas das variedades da estação de saquê e até mesmo para conhecer um pouco de como é feita a colheita do arroz.

No outono os pitorescos Arrozais em terraços de Hoshitoge  ficam maravilhosos e o arroz é geralmente colhido até meados de outubro. Para desfrutar a curiosa arte dos arrozais, visite a Vila Inakadate em Aomori: Nos últimos anos, ela se tornou uma sensação na internet.

Acredita-se que essa celebração tenha origem em um primitivo festival de colheita, mas o Halloween fez sucesso no Japão e se tornou um grande destaque do calendário de eventos de outubro. A maioria dos bares e clubes das grandes cidades promove festas à fantasia nos últimos dois fins de semana do mês, mas Shibuya , em Tóquio , é sem dúvida o principal local para comemoração do Halloween no país. Nessa época é comum ver o Mario, os Minions e uma série de personagens mais fofos no meio dos típicos personagens sangrentos do Halloween.

Novembro

Para a maior parte do Japão, novembro chega com brisa forte, céu limpo e folhagem de outono radiante, proporcionado um dos meses mais agradáveis para viajar pelo país. O clima vai esfriando aos poucos, especialmente de manhã e à noite, mas um passeio às águas termais é uma solução simples para encarar qualquer período de frio. Fique atento às luzes de Natal e aos eventos de iluminação – muitos deles começam em novembro.

As palavras japonesas momiji e koyo referem-se às folhas vermelhas e amarelas, a atração principal do outono. As regiões montanhosas e à beira de lagos são destinos populares, mas é possível apreciar as belas cores da estação praticamente de qualquer lugar. A maioria dos santuários e templos tem belas áreas externas, com uma quantidade razoável de bordos.

Com uma grande quantidade de árvores ginkgo exibindo suas cores a partir de meados de novembro até o início de dezembro, o estádio Meiji Jingu Gaien  talvez seja o local mais famoso de Tóquio para admirar as folhas de outono. Outros locais de fácil acesso no centro de Tóquio  incluem o Jardim de Koishikawa Korakuen  próximo da Cúpula de Tóquio  e os Jardins de Rikugien  em Ikebukuro.

Um passeio simples de um dia saindo de Tóquio, Nikko  abriga o santuário Nikko Toshogu  é um dos santuários mais famosos e com arquitetura mais impressionante do Japão. As folhas dos jardins são um motivo a mais para visitar o local, caso você precise de algum. Outro passeio popular nos arredores de Tóquio é o templo da cidade litorânea de Kamakura . Se estiver na cidade no final do mês, depois do anoitecer visite o Templo Hasedera  para apreciar as folhas de bordo vermelho iluminadas.

Os eventos de iluminação marcam o início das noites longas e escuras e do inverno que se aproxima. Vários dos maiores e melhores desse eventos, como o Sagamiko Illumillion  em Kanagawa  e a Iluminação de inverno de Nabana no Sato  em Mie  começam em novembro ou até mesmo antes.

Dezembro

Japão: conheça este país insular com mais de 6.000 ilhas - parte 2

Foto: Pixabay

O final do ano inspira essas luzes sazonais como uma iluminação difundida de inverno, o início da temporada de esqui e, muitas vezes, a primeira nevasca. O tempo varia de frio outonal a frio de inverno adequado. A temporada do Ano Novo japonês acontece no fim do mês, com o Natal sendo mais um evento simbólico. Céus de inverno cristalinos e claros fazem com que as paisagens montanhosas se destaquem contra os fundos azuis-celestes, com tudo dando aquela sensação especial de final do ano.

Originalmente uma importação ocidental, o Natal é celebrado no Japão, mas é muito diferente do feriado familiar comemorado nos países de língua inglesa. Decorações estão por toda parte, mas poucos presentes são trocados. O peru de Natal não existe, e uma viagem para o KFC acaba sendo a prática preferida. Casais saem para jantares românticos em vez de passar tempo com a família, e bolo de Natal é irreconhecível. Áreas urbanas chamativas na capital, como Ginza e a área de Marunouchi ao redor da Estação de Tóquio , são pontos privilegiados para jantares extravagantes e luzes festivas.

Uma maneira infalível de vencer o frio do inverno é uma viagem à Exposição do Ramen, em Osaka . Realizada em quatro finais de semana durante o mês, o evento não cobra taxa de admissão e tem cerca de 40 escolhas de fornecedores de macarrão. Em Kobe , o Festival das Lanternas Nankinmachi, em Chinatown , funciona do início ao final de dezembro, com cores e sabores abundantes atraindo multidões.

*Informações oficiais de Japan Convention Bureau

 

App Pinguim

Instale o app e tenha a sua viagem - e a sua comunidade viajante - na palma da sua mão!

O Pinguim conecta viajantes a destinos e comunidades com interesses comuns para promover experiências únicas. No Pinguim, a gente viaja junto! Bora?